Cardiologista Alerta: Pessoas com Diabetes tipo 2 têm Risco duas Vezes maior de ter Doenças do Coração

O presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia finalizou a sua apresentação com uma análise do desempenho positivo das cirurgias bariátrica e metabólica para o tratamento do diabetes tipo 2, destacando os resultados obtidos com a cirurgia bariátrica para pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 35 kg/m2 e 39,9 kg/m2 e a cirurgia metabólica (realizada há 10 anos), para pacientes com IMC entre 30 kg/m2 e 35 kg/m2.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Dr. Oscar Dutra, alerta sobre os riscos do diabetes tipo 2 para o coração em evento realizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica

Estima-se que, hoje, 14 milhões de pessoas tenham diabetes tipo 2 no Brasil. Um número bastante alto, considerando os riscos que a doença representa para a saúde.

Apesar dos esforços que têm sido feitos no sentido de alertar a população sobre os riscos do diabetes, o número de pessoas com a doença continua a aumentar.

Por conta disso, o diabetes já é considerado uma epidemia por muitos especialistas. Uma epidemia silenciosa, já que
grande parte das pessoas não apresenta sintomas e não sabe que tem a doença.

Novas Fronteiras no Tratamento do Diabetes Tipo 2

Com o objetivo de promover a troca de experiências entre os profissionais que atuam no tratamento clínico e os médicos que atuam no tratamento cirúrgico de pacientes com diabetes tipo 2, a SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica) reuniu alguns dos principais especialistas da área no workshop Novas Fronteiras no Tratamento do Diabetes Tipo  2.

O evento contou com a participação de representantes de algumas das principais sociedades médicas do país:

  • Sociedade
    Brasileira de Diabetes;
  • Sociedade
    Brasileira de Cardiologia;
  • Sociedade
    Brasileira de Nefrologia;
  • Sociedade
    Brasileira de Oftalmologia;
  • Sociedade
    Brasileira de Endocrinologia;
  • Sociedade
    Brasileira de Cirurgia Vascular;
  • Sociedade
    Brasileira de Hepatologia;
  • Sociedade
    Brasileira de Nutrologia;
  • Sociedade
    Brasileira de Cirurgia Minimamente Invasiva (Sobracil);
  • Colégio Brasileiro
    de Cirurgiões (CBC);
  • Colégio Brasileiro
    de Cirurgia Digestiva (CBCD).

Dentre os diversos temas abordados durante o workshop, alguns aspectos foram motivo de consenso entre os palestrantes:

  • O aumento da obesidade e dos casos de diabete tipo 2;
  • A dificuldade dos pacientes com diabetes em controlar adequadamente a doença;
  • A constatação de que existe uma associação direta entre o diabetes, a hipertensão e outras doenças metabólicas;
  • A necessidade de oferecer as novas ferramentas, incluindo a cirurgia metabólica, para os diabéticos mal controlados.

Crescimento do Diabetes tipo 2 no Brasil

Um dos temas abordados durante o workshop foi o aumento do número dos casos de diabetes tipo 2 no Brasil e na América Latina. Infelizmente, as projeções dos casos de diabetes no Brasil e na América Latina não são nada otimistas.

Para se ter uma ideia, hoje, nas Américas Central e Latina, são 26 milhões de diabéticos diagnosticados.

Segundo o Dr. Oscar Dutra, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, em um futuro não muito distante 25% da população brasileira terá obesidade, e muitos deles, também desenvolverão diabetes.

 O cardiologista ressaltou ainda que os problemas cardíacos aumentam na mesma proporção da doença.

“O índice de casos de diabetes tipo 2 está aumentando e, como consequência disso, o número de morbidade e mortalidade por doenças cardiovasculares está subindo.”

O Dr. Oscar Dutra explicou também que o diabetes tipo 2 pode ser motivo de diversas doenças do coração:

“Isso porque a doença é um fator de risco desencadeador de eventos cardíacos, como acidente vascular cerebral (AVC), infarto do miocárdio e amputações decorrentes das alterações de glicose no sangue.”

De acordo com os dados apresentados pelo especialista, pessoas com diabetes tipo 2 têm um risco duas vezes maior de desenvolver problemas cardiovasculares.

diabetes riscos coração

Além de reduzir, em média, 6 anos a expectativa de vida dos pacientes com mais de 50 anos.

diabetes expectativa de vida

Obesidade Infantil

Outro tema abordado durante o encontro foi a obesidade infantil.

Os dados disponíveis sobre obesidade infantil foram adquiridos há 10 anos, o que dificulta a análise do cenário
atual.

Para se ter uma ideia, há 10 anos, 33,5% das crianças no Brasil tinham obesidade ou sobrepeso, dois dos principais
fatores desencadeadores do diabetes tipo 2.

obesidade-infantil

“Assustadoramente, alguns dados que temos são da década passada, mas podemos afirmar que logo teremos uma epidemia de diabetes no país extremamente preocupante”, ressaltou o presidente da entidade.

Mapa Global do Diabetes Tipo 2

Como estão distribuídos os casos de diabetes no mundo?

De acordo com o Atlas do Diabetes, o Brasil é o quinto país com maior incidência de casos em adultos, ficando atrás da China, Estados Unidos, Alemanha e Índia.

Se somarmos os casos de diabetes desses cinco países com os casos de diabetes de Rússia, México, Egito, Indonésia e Paquistão, teremos 60% do total dos casos mundiais da doença.

Custos do Diabetes

Outro problema associado ao diabetes abordado pelo presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia diz respeito
aos custos associados à doença.

Como ressaltou Dutra:

“O custo com o tratamento do diabetes também cresce em níveis alarmantes.”

Apenas no ano de 2006 foram gastos 232 bilhões de dólares com o tratamento de diabéticos em todo o mundo.

Já em 2017, esse número subiu muito e foi quase quatro vezes maior, passando para 727 bilhões de dólares, segundo o Atlas do Diabetes.

De acordo com os dados apresentados pelo especialista, pessoas com diabetes tipo 2 têm um risco duas vezes maior de desenvolver problemas cardiovasculares.

tratamento diabetes custos

Uma vez que os casos de diabetes tendem a aumentar, é importante mensurar o impacto que esse fato terá sobre os cofres públicos.

“Isso traz um ônus muito grande para o erário público, porque o atendimento básico dessa população se faz às custas do Sistema Único de Saúde (SUS)”.

Tratamentos para Diabetes: Novas Drogas e Cirurgia Metabólica

O presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia finalizou a sua apresentação com uma análise do desempenho positivo das cirurgias bariátrica e metabólica para o tratamento do diabetes tipo 2, destacando os resultados obtidos com a cirurgia bariátrica para pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 35 kg/m2 e 39,9 kg/m2 e a cirurgia metabólica (realizada há 10 anos), para pacientes com IMC entre 30 kg/m2 e 35 kg/m2.

Artigos relacionados