O que é Cirurgia Metabólica?

cirurgia-metabolica-casal
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A cirurgia metabólica é um procedimento cirúrgico destinado a pessoas com diabetes tipo 2 e obesidade (IMC acima de 30) que não estejam conseguindo obter sucesso no controle da glicemia e das doenças associadas, como a hipertensão e o colesterol alterado, através do uso de medicamentos.

Talvez você nunca tenha ouvido falar da cirurgia metabólica, pois este é um procedimento relativamente novo, mas pode ter certeza que você ainda vai ouvir falar muito dela.

Através da cirurgia metabólica é possível controlar até cinco doenças:

  1. Hipertensão;
  2. Obesidade;
  3. Colesterol;
  4. Esteose Hepática;
  5. Diabetes.

O Que é Cirurgia Metabólica?

A cirurgia metabólica é um tratamento seguro, regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e indicado para o tratamento de pessoas com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 30, que não estão obtendo sucesso no controle de doenças associadas à obesidade, especialmente o diabetes tipo 2.

Ela foi incorporada há cerca de 10 anos e, nesse curto espaço de tempo, ajudou milhares de pessoas a tratar o diabetes tipo 2 mal controlado.

Mas o que faz da cirurgia metabólica um procedimento fundamental nos dias de hoje?

Diabetes Tipo 2: Uma Epidemia Silenciosa

Existem hoje 14 milhões de pessoas com diabetes tipo 2 do Brasil. Um número que, segundo alguns especialistas, tende a aumentar com o passar dos anos. 

Por ser uma doença que na sua fase inicial não apresenta sintomas, grande parte das pessoas não sabe que tem diabetes tipo 2.

Nesse caso, o diagnóstico só é realizado quando são feitos exames de glicemia de jejum, uma curva glicêmica ou um exame de hemoglobina glicada. Infelizmente, muitas vezes, quando os primeiros sintomas do diabetes aparecem, o paciente já está numa fase mais avançada da doença ou até com complicações.

Esse fato pode ser motivo de diversos problemas de saúde, alguns muito graves, como a perda de visão e problemas vasculares.

Por isso mesmo, um clínico geral, um cardiologista ou um endocrinologista, sempre que avaliam um paciente de meia idade, investigam e pedem exames de glicemia.

Um outro problema é que, por ser uma doença crônica, o diabetes precisa de controle constante e de acompanhamento regular de um endocrinologista, um clínico ou um cardiologista.

No entanto, devido a uma série de motivos que abordaremos adiante, uma grande parcela da população não consegue controlar a doença da forma adequada, permitindo, assim, a evolução do diabetes.

O que fazer para evitar que um número tão grande de pessoas com diabetes tipo 2 não controlado minimizem as chances de ter uma complicação do diabetes?

Cirurgia Bariátrica e Cirurgia Metabólica: Semelhanças e Diferenças

Muita gente ainda confunde a cirurgia bariátrica com a cirurgia metabólica.

Mas, afinal, qual é a diferença entre elas?

O Dr. Marcos Leão Vilas-Bôas, presidente de Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica – SBCBM, explica as diferenças entre os dois procedimentos

Quando se fala de cirurgia metabólica, é importante entender a sua relação com a cirurgia bariátrica. São procedimentos muito similares, porém, com objetivos diferentes.

Enquanto a cirurgia bariátrica tem como objetivo principal a redução do peso, a cirurgia metabólica tem como meta o tratamento do diabetes e de outras doenças associadas à obesidade, como a hipertensão (pressão alta), a dislipidemia (colesterol ou triglicérides alterado), a esteatose hepática (gordura no fígado), a esofagite (refluxo gastroesofágico) ou a apneia do sono.

Portanto, quando falamos de cirurgia bariátrica estamos nos referindo a um procedimento cirúrgico que tem como foco principal a redução do peso, mas que também vai melhorar as doenças associadas à obesidade.  

Por outro lado, a cirurgia metabólica é um tratamento que mira principalmente no controle do diabetes tipo 2, quando os parâmetros de controle indicam a progressão da doença e a pouca eficácia do tratamento à base de remédios, dieta e exercícios.

Mas, se as duas cirurgias são tão parecidas, por que elas tem nomes diferentes?

Para entender essa questão, precisamos primeiro falar sobre a cirurgia bariátrica.

Cirurgia Bariátrica: Tratamento da Obesidade

A cirurgia bariátrica, também chamada de cirurgia da obesidade ou cirurgia de redução de estômago, é um procedimento cirúrgico com o objetivo de reduzir a obesidade grave ou obesidade mórbida, assim como melhorar as doenças associadas ao excesso de gordura corporal em pessoas com IMC elevado.

A cirurgia bariátrica já é bem conhecida do público, pois foi introduzida no mundo há mais de 50 anos e é muito utilizada no Brasil há mais de 20 anos. A imagem da cirurgia bariátrica está bem sedimentada, pois é a principal e mais eficiente forma de controle da obesidade severa, sendo realizadas mais de 100 mil cirurgias por ano, só no Brasil. Assim como a cirurgia para tratar o diabetes, a cirurgia da obesidade é segura e eficaz para promover a perda de peso, e é também referendada pelo Conselho Federal de Medicina.

Cirurgia Metabólica: Tratamento do Diabetes

O conceito de cirurgia metabólica é mais recente, tendo sido estabelecido há pouco mais de dez anos. Ele surgiu a partir de constatações importantes realizadas pela comunidade médica.

O que se percebeu foi que as pessoas submetidas à cirurgia bariátrica obtinham diversos benefícios para a saúde, além da esperada perda de peso, especialmente nos pacientes com diabetes.

Constatou-se que transformações endócrinas importantes ocorriam nos pacientes que realizavam a cirurgia bariátrica, resultando em uma melhora muito rápida nos níveis de açúcar na maioria das pessoas com diabetes, a ponto de muitas vezes não ser mais preciso usar antidiabéticos após a cirurgia.

Mas por que isso ocorria?

Benefícios da Cirurgia Metabólica

Como a diminuição do tamanho do estômago e a alteração na trajetória do alimento no aparelho digestivo estavam relacionadas com uma melhora no estado geral de saúde do paciente?

Os profissionais de saúde constataram que as transformações anatômicas realizadas pela cirurgia bariátrica provocavam o aumento significativo da quantidade de vários hormônios que atuam na regulação do açúcar e do metabolismo, além de controlar a fome e promover saciedade, provocando diversos efeitos benéficos no organismo.

Percebeu-se que, após a cirurgia bariátrica, havia uma diminuição dos hormônios associados à fome no estômago, ao mesmo tempo em que havia um incremento dos hormônios relacionados à saciedade no intestino.

Ou seja, além de ter uma diminuição significativa do desejo de comer, a pessoa se sentia satisfeita com muito menos comida!

Dentre os benefícios que podem ser atribuídos à mudança na secreção desses hormônios está o controle ou até mesmo a remissão de várias doenças potencialmente graves, como:

  • Diabetes;
  • Hipercolesterolemia;
  • Hiperuricemia;
  • Hipertensão;
  • Esteatose Hepática;
  • Síndrome dos Ovários Policísticos;
  • Parte da Síndrome Plurimetabólica.

Como essas mudanças atuam diretamente no metabolismo, a cirurgia passou a se chamar cirurgia metabólica.

Controle do Diabetes 

Apesar do progresso constante no tratamento clínico do diabetes tipo 2, por ser uma doença associada ao estilo de vida e necessitar de grande comprometimento por parte do paciente, o diabetes ainda é muito difícil de ser controlado.

Por esse motivo, a cirurgia metabólica é indicada para pessoas com diabetes tipo 2 que encontram dificuldades em controlar a doença. Essas pessoas são chamadas de diabéticos não controlados.

Os diabéticos não controlados são pessoas com diabetes tipo 2 que não conseguem manter os níveis de glicose no sangue dentro dos padrões desejados. Mas essas pessoas não se tornam diabéticos não controlados do dia para a noite. Geralmente, são muitas as tentativas fracassadas de controlar a doença.

Essas tentativas podem incluir diversos tipos de dietas, exercícios físicos e tratamentos clínicos, incluindo o uso de medicamentos injetáveis diariamente.

No entanto, muitas pessoas não conseguem obter os objetivos desejados seguindo esses métodos. A dificuldade em controlar o diabetes através do tratamento conservador pode ser motivo de frustração, fazendo com que muita gente abandone o tratamento.

Como o diabetes é uma doença progressiva, essa é uma atitude que coloca em risco a saúde da pessoa, pois a doença tende a evoluir para quadros mais graves.

Porém, existe ainda outro fator que dificulta a adesão ao tratamento: o custo do tratamento clínico para diabetes. Como é uma doença crônica, o uso regular de medicamentos pode se tornar financeiramente inviável para muitos pacientes.

Esse é mais um motivo que faz com que o diabetes tipo 2 não tenha a adesão necessária ao tratamento.

O que fazer, nesse caso?

Quem Deve Fazer a Cirurgia Metabólica?

cirurgia metabólica é um procedimento seguro extremamente eficiente no tratamento da obesidade, assim como das doenças associadas ao excesso de gordura corporal, com destaque para os casos de obesidade mórbida e obesidade grave.

O grande diferencial da cirurgia metabólica é o fato desse procedimento alterar de forma benéfica a produção de hormônios relacionados à obesidade, favorecendo tanto a perda de peso como o tratamento e até mesmo a cura de diversas doenças endocrinológicas, como diabetes tipo 2, hipercolesterolemia, hiperuricemia e hipertensão.

A indicação de cirurgia deve ser feita por um cirurgião bariátrico e deve estar de acordo com os seguintes critérios:

  • Índice de Massa Corpórea (IMC) entre 30 e 34,9 (mínimo);
  • Ter entre 30 e 70 anos de idade;
  • Tempo mínimo de doença de 2 anos;
  • Tempo máximo de doença de 10 anos – devido à dificuldade de remissão do diabetes após esse período. No entanto, mesmo os pacientes que não alcançam a remissão podem se beneficiar da redução dos níveis glicêmicos proporcionada pela cirurgia, reduzindo as chances de complicações futuras.

Tipos de Cirurgia Metabólica

Existem diversos tipos de cirurgia que podem ser realizadas em pacientes com obesidade e doença metabólica/bariátrica, entretanto, para as pessoas com indicação puramente metabólica (IMC entre 30 e 35), apenas o Bypass Gástrico e a Gastrectomia Vertical são recomendados.

Bypass Gástrico é a modalidade mais praticada no Brasil, correspondendo a aproximadamente 75% das cirurgias realizadas. Trata-se de um procedimento criado há mais de 50 anos nos Estados Unidos e que ao longo do tempo sofreu adaptações e transformou-se no padrão ouro da cirurgia bariátrica.

Já a gastrectomia vertical, também conhecida como Sleeve, se caracteriza por transformar o estômago em um tubo com capacidade de 100 a 150 mililitros (ml), sem a necessidade de desvio do alimento do seu trajeto natural. É uma técnica mais recente, com cerca de 15 anos de história, que pouco a pouco ganhou a preferência de médicos e pacientes em todo o mundo, a ponto de ser o procedimento mais utilizado no mundo para o tratamento da obesidade.

A portaria do CFM determinou que o Bypass Gástrico deve ser a técnica de primeira escolha para indivíduos com IMC abaixo de 35, com o Sleeve sendo utilizado como segunda escolha. Ambas as técnicas podem ser realizadas através da videolaparoscopia, processo minimamente invasivo que utiliza microcâmeras e delicados instrumentos introduzidos no abdome por pequenas incisões.

A decisão pela videolaparoscopia é baseada em critérios de segurança e só pode ser tomada durante o ato operatório.

A laparoscopia oferece várias vantagens para o paciente:

  • Menos dor no pós-operatório;
  • Menor índice de infecção;
  • Rápido retorno às atividades laborais;
  • Menor incidência de hérnias incisionais;
  • Estética.

Conclusão  

cirurgia metabólica é um procedimento reconhecido por mais de 50 sociedades médicas ao redor do mundo e aprovado pelo Conselho Federal de Medicina para o tratamento de diabéticos não controlados com IMC acima de 30.

Ela é um tratamento seguro e eficaz para o diabetes tipo 2, que vem se somar à melhoria da alimentação e do estilo de vida, fundamentais para que o paciente mantenha os níveis glicêmicos dentro dos limites recomendados ao longo de toda a vida.

Veja aqui quais são os médicos e especialidades associadas habilitados a realizar a cirurgia metabólica, membros da SBCBM

Artigos relacionados